Divagações

Como já tinha repetido exaustivamente por aqui, encerrei um ciclo em que me dediquei ao hedonismo. Um período ótimo, mas que não faz mais sentido para mim. Viver o hoje como se fosse o último dia da sua existência é delicioso. Dá um sentido danado na vida, mas não constrói um futuro.

Mesmo sendo muito mais chato, estou investindo na minha carreira. É uma das poucas  coisas nessa vida que depende unicamente de mim. Às vezes temos sorte, ou nos associamos com pessoas que nos ajudam nesta escalada profissional. Mas no fim das contas, todo esforço para adquirir novos conhecimentos é feito de forma solitária.

Junto a esta vontade, várias mudanças vem ocorrendo na empresa que trabalho. Nada mudou na minha condição de jornalista, mas já tive três chefes em três meses. Não tenho conseguido manter otimismo, nem tenho motivos para isso, mas é estressante tantas trocas, tantas incertezas.

O que me motiva é meu objetivo de melhorar profissionalmente para comprar um imóvel, viver com conforto, mas com simplicidade. Quem sabe comprar um carro e manter um padrão na classe média. Ter dinheiro para viajar nas férias.

Mas escrevendo isso, nem parece que quero isso. Só estou escolhendo a alternativa que não depende de ninguém, a não ser de mim mesma. Não é a vida mais feliz, mas garante um futuro mais ou menos. Sem grandes surpresas, tudo seguindo um script, como se a vida não surpreendesse a gente.

Parece que tenho outra escolha, mas não consigo vislumbrar. Será que falta ambição para batalhar para um futuro mais feliz? Ou só estou realista demais. Como muitas mulheres na minha faixa etária, queria ter um amor, construir uma família e ter filhos. Não sei se é a vida mais feliz, mas é o que desejo para meu futuro. Mas todo plano que depende de outra pessoa que não seja eu mesma, me desanima. Pois posso me apaixonar perdidamente por alguém e não ter ao lado quem queira seguir este sonho comigo.

Então sigo um plano só, pois tenho esperanças que apareça alguém que tenha o mesmo objetivo de formar uma família comigo, e o planejamento inicial pode ser adaptável para esta mudança. Mas fico sempre na dúvida, se devo perder completamente as esperanças e seguir um planejamento mais grandioso que não cabe ninguém, a não ser eu mesma. Pois sofro com a possibilidade de um futuro sozinha.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s